22/03/2017

Seis ministros do governo Michel Temer foram afastados dos cargos após delações da Lava Jato. E a previsão é que a temporada de depoimentos dos ex-excutivos da Odebrecht ainda leve tempo ruim para o Palácio do Planalto, atingindo cerca de 1/3 dos principais aliados do presidente.

Com nove ministros na lista enviada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal (STF), com pedido de abertura de inquérito por ligações com a empreiteira, como revela O Globo, Temer determinou que os titulares das pastas só serão afastados do governo em caso de ações penais.

Segundo o Valor Econômico, um dos comprometidos seria o Ministro da Agricultura, Blairo Maggi

A lista de Janot inclui ainda Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria-Geral), Aloysio Nunes (Relações Exteriores), Bruno Araújo (Cidades), Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia) e Marcos Pereira (Desenvolvimento). Os oitavo e nono nomes ainda não foram divulgados.

Outros dois ministros também estão na lista, mas os nomes deles ainda não foram divulgados. "A chance de estar nesse negócio é zero. Não tem a mínima chance. Nunca tive negócio com esses caras. Minha única relação com eles (Odebrecht) foi pagar pedágio na rodovia que eles construíram", declarou Blairo Maggi, ao Globo, nesta terça-feira.

Rodrigo Janot pediu que o STF abrisse inquérito contra 83 deputados, ministros e senadores. O procurador que investigar ainda dez governadores e políticos, como os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, além dos senadores Aécio Neves e José Serra.

Por: Noticiaominuto
Post: G. Gomes
Canal: www.deljipa.blogspot.com.br
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Faça seu Comentário, com responsabilidade:

Entre com o Email

Seja o primeiro a saber

Utilidades











Instagram


Top Comentaristas

Os Mais Acessados