02/04/2017

Na última sexta-feira, enquanto era decretada a prisão preventiva dos policiais que executaram dois homens em Acari, na Zona Norte, um abaixo assinado foi criado em apoio aos dois PMs. Em 24 horas, a petição online já coletou mais de 50 mil assinaturas.

O cabo Fabio de Barros Dias e o sargento David Gomes Caetano, ambos do 41º BPM (Irajá), foram flagrados, em vídeo, executando dois supostos traficantes que já estavam caídos no chão, em frente à Escola Municipal Daniel Piza, em Acari. O vídeo mostra os policiais recolhendo o que seria um fuzil e uma pistola que estariam com os homens. O crime ocorreu no lado externo da escola onde, no mesmo dia, a estudante Maria Eduarda Alves, de 13 anos, morreu atingida por pelo menos dois tiros – ainda não se sabe de onde partiram os disparos.

Sem menção à ilegalidade na conduta, o texto da petição considera os policiais presos “heróis do 41° BPM” e diz que eles estão sendo “massacrados por uma mídia tendenciosa e covarde”. Boa parte dos comentários dos apoiadores considera condená-los uma inversão de valores e reproduz a máxima: bandido bom é bandido morto.

É a opinião de Carina, que justificou sua assinatura: “Bandido que atira para matar tem que tomar tiro para morrer. Parabéns, guerreiros”, escreveu ela, que teve 381 curtidas.

O segundo comentário mais curtido foi o de Gustavo: “Apoio operações policiais, e se os marginais resistirem, devem ser aniquilados

A coordenadora do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes (Cesec-UCAM), Julita Lengruber, afirma que é um equivoco pensar que a violência policial reduz a criminalidade.

Evidente que a sensação de impunidade generalizada contribui para esse tipo de reação. Mas as pessoas que fazem isso, apoiando esse tipo de violência e ilegalidade, não percebem que estimular a violência policial é apostar na sua própria insegurança – disse Julita, que cobra uma resposta do governo. – Não é possível que com o estado num nível de violência como estamos vivendo, um governador não se manifeste claramente mandando uma mensagem para a população e para a polícia, de que esse comportamento dos policiais é inaceitável.

Embora entenda a revolta com a violência, o cientista social Marcelo Fernandes bate na mesma:

As pessoas estão incomodadas com a violência ao ponto de achar razoável justificar um crime por outro crime. Me pergunto se essa mesma pessoa vá concordar quando for ela a vítima, mesmo que numa situação mais trivial, como a de um agente que exige dinheiro numa blitz.

PRISÃO PREVENTIVA
O cabo Fábio de Barros Dias e o sargento David Gomes Centeno tiveram a prisão em flagrante convertida em prisão preventiva durante audiência de custódia na noite desta sexta-feira. Na decisão, o juiz Marcello de Sá Batista considerou perigosa a possibilidade de retorno dos policiais às ruas portando armas:

Entende o juízo que as condutas em tese praticadas são de extrema gravidade e exteriorizam um comportamento que demonstra haver efetivo risco à coletividade com a reinserção dos custodiados ao convívio social, bem como as fileiras da corporação. No momento, com os fatos verificados com os elementos de provas apresentados, se constitui como no mínimo temerária a possibilidade dos custodiados voltarem às ruas portando armas utilizadas em guerra”, sustentou o magistrado.

PMS ENVOLVIDOS EM 37 AUTOS DE RESISTÊNCIA
O sargento David Gomes Centeno e o cabo Fábio de Barros Dias se envolveram em 37 autos de resistência — mortes de suspeitos durante operações policiais — desde 2011. Os dois, juntos, participaram de uma dessas ocorrências. Já as demais mortes ocorreram em ações com outros colegas de farda.

Centeno é envolvido em outros dez autos de resistência e, Dias, em 26 ocorrências, entre elas a morte de uma menina de 11 anos, ocorrida em Dezembro de 2013. Maria Eduarda Sardinha foi baleada na Favela Para Pedro, em Irajá, na Zona Norte do Rio, durante uma operação no 41º BPM (Irajá) ocorrida dois dias antes do Natal.

Todas as mortes aconteceram em favelas da Zona Norte. Na maior parte dos casos, os suspeitos foram levados a um hospital e não houve perícia no local. Em todas as ocorrências, os policiais apresentaram armas na delegacia, que disseram estar com o suspeito.

E voce , o que acha?

Por: NBO
Post: G. Gomes
Canal: www.deljipa.blogspot.com.br
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Faça seu Comentário, com responsabilidade:

Entre com o Email

Seja o primeiro a saber

Utilidades











Instagram


Top Comentaristas

Os Mais Acessados