15/07/2017

Uma das vedetes de arqueólogos e especialistas, a pesquisa sobre o Egito Antigo foi reforçada por um teste de DNA. Para estudiosos, chegamos a um marco na descoberta dessa história da Antiguidade.

Cientistas conseguiram demonstrar através de uma amostra de DNA que muito do que pensávamos sobre os egípcios pode estar errado. A começar por seu grau de parentesco, mais próximo à população da Europa do que do Oriente Médio ou da África.

A revelação de que egípcios da Antiguidade tinham parentesco mais próximo com os europeus é surpreendente. A conclusão ocorreu após um sequenciamento do DNA de centenas de múmias que viveram no país entre 1400 a.C. e 400 d.C..

Além disso, a pesquisa liderada pelo Max Planck Institute for the Science of Human History, na Alemanha, fez comparações com os egípcios atuais. Esses são mais próximos aos africanos subsaarianos, o que explicaria como as populações locais se movimentaram no passado.

Afinal, esse parentesco dos egípcios modernos entrega um fluxo da migração subsaariana, que teria modificado os padrões genéticos da população do Egito no último milênio. Assim, a origem europeia teria sido totalmente afastada da população atual.

Informações: Yahoo Noticias
Post: G. Gomes
para: www.deljipa.blogspot.com.br
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Faça seu Comentário, com responsabilidade:

Entre com o Email

Seja o primeiro a saber

Utilidades











Instagram


Top Comentaristas

Os Mais Acessados